02.09.17
Pop Shop Podcast: Bea Miller fala sobre o Hot 100 Festival, e sobre ver (e lançar) música em cor

Bem vindos ao novo episódio do Billboard Pop Shop Podcast, sua primeira parada para todas as coisas pop nos charts semanais da Billboard. Em adição, você sempre pode contar uma vívida discussão sobre as últimas notícias pop, FUN CHART STATS AND STORIES, música nova, e entrevistas convidadas com estrelas da música e FOLKS do mundo do pop.

Os fãs casuais de pop e os viciados em charts podem ouvir o co-diretor da Billboard, Keith Caulfield e o editor adjunto da Billboard, digital, Katie Atkinson todas as terças-feiras no Pop Shop Podcast, que pode ser transmitido no Billboard.com ou baixado no iTunes (clique aqui para ouvir Para a edição anterior da terça-feira do show no Billboard.com).

No último show, a cantora/compositora Bea Miller se junta a nós para falar sobre a sua próxima apresentação no terceiro Hot 100 Festival anual, como a sua mãe está especialmente animada para ver ela assumindo o palco no festival, como Miller vê a música em cor, e como ela foi criativa com lançar a sua nova música porque “as pessoas realmente não consomem mais álbuns.”

Além disso, Steven Horowitz, editor sênior da Billboard, se torna o co-anfitrião do show, enquanto a Katie faz uma pausa do Pop Shop. Keith e Steven apresentam o Festival Hot 100 desta semana, que acontece nos dias 19 e 20 de agosto em The Grounds at Jones Beach Theatre em Long Island, Nova York. Todo mundo desde Demi Lovato e Major Lazer até Camila Cabello e Zedd vão tocar no show, e o pessoal fala tudo sobre o que esperar e ainda mais.

Quanto a Miller, ela diz que tocar no Hot 100 Festival é ainda mais especial, porque ela tem laços familiares com Jones Beach e esta será a primeira vez que Miller toca no local. Acontece que a mãe de Miller é de Long Island, e Miller conta a Billboard: “Mamãe planeja estar lá (no show) por muito tempo. Ela incomoda todos com isso. Minha tia vive perto … Eu vou a Jones Beach todos os anos para os fogos de artifício, para o Quatro de Julho. Eu estava lá a pouco. Nós, literalmente, acabamos de passar nesse local há algumas semanas”.

Miller está programada para tocar no palco principal do festival, o Hot 100 Stage, no dia 19 de agosto às 4:45 p.m. Ela será seguida por uma grande lista de estrelas dos charts: Gucci Mane, Lovato, Zedd e Big Sean. (E ei, talvez haja fogos de artifício em algum ponto durante o fim de semana no festival, também!)

Falando sobre o Festival Hot 100, Miller tem estado ocupada com o seu contínuo projeto de música com temas de cores, que foi iniciado em fevereiro com o lançamento do conjunto de três músicas chamando Capítulo Um: Azul. Ela seguiu em junho com outro trabalho de três músicas, Capítulo Dois: Vermelho. No final deste ano, o Capítulo Três: Amarelo chegará (novamente, com três músicas). O trio de títulos leva a um trabalho de estúdio completo, que conterá as nove músicas lançadas anteriormente, além de mais três novas faixas.

“Eu tenho sinestesia”, diz Miller, “que é quando você vê a música em cores. É por isso que tenho usado as cores porque quando decidimos que íamos lançar a música em capítulos, ao invés de tudo ao mesmo tempo, eu estava pensando, ‘bem, como podemos levar isso mais longe? Como expandir isso e torná-lo mais criativo?'”

Miller diz que ela agrupou as músicas com base em que cor ela viu quando ouviu uma faixa em particular. As músicas do Capítulo Um: Azul era, de forma adequada, canções que ela escreveu enquanto se sentia triste. Então, no Capítulo Dois: Vermelho, aquelas músicas eram aquelas em que ela passara da tristeza e estava “meio brava com a tristeza” por ela ter sido por tanto tempo.

Em última análise, os títulos Azul, Vermelho e Amarelo levam a um álbum completo, possivelmente intitulado Spectrum (Espectro).

“Aconteceu das três cores serem as cores primárias. Então eu estava pensando… e não é 100%, mas eu estou pensando que eu queria (pra ser o título) algo como Spectrum (Espectro). no mesmo senso as três cores primárias podem formar qualquer cor no espectro, você precisar vivenciar emoções – a tristeza, a solidão do Capítulo Um (Chapter On), a raiva e o empoderamento no Capítlo Dois (Chapter Two), e então a felicidade e apenas tentar descobrir e aprender dos seus erros no Capítulo Tres(Chapter Three) – para ser a melhor versão de si mesmo que você pode ser.”

Miller diz que o lançamento em cores do álbum é uma maneira de fazer as pessoas ouvirem suas músicas em pequenos pedaços, já que é difícil fazer com que as pessoas se sentem e escutem mais trabalho.

“As pessoas realmente não consomem álbuns mais”, diz Miller. “As pessoas não se importam com 12 músicas ao mesmo tempo. Quando o Drake lançou More Life, e ele tinha algo como 20 músicas lá, as pessoas estavam tipo, ‘bem, o que eu faço com isso? Eu não tenho tempo para tudo isso agora,’ sabe? É triste pra mim, porque eu escuto os álbuns quando são lançados dos artistas que eu gosto… Eu acho que todos nós temos vidas realmente ocupadas agora e há tanta estimulação, há tantos artistas, há tanta música, há tanta arte, há tanto de tudo em um mundo que é difícil fazer as pessoas se concentrarem em 12 músicas suas de uma só vez “.

Então, ela pensou em uma maneira criativa de que ela pudesse fazer com que as pessoas prestassem atenção e realmente escutassem sua música – em segmentos de três músicas de tamanho menor. “Porque, obviamente, quando escrevemos nossa música”, diz ela, “derramos nosso coração e alma nela. Eu coloco tudo na minha música … Eu apenas sinto como, eu quero que as pessoas realmente ouçam o que eu tenho a dizer “.

Fonte: Billboard
Tradução e adaptação: BMBR

20.08.17
OUÇA: Trilha sonora do filme “Extraordinário” conta com música de Bea Miller

O filme “Extraordinário”, baseado no livro de mesmo nome, chega aos cinemas em Novembro desse ano e conta a história de August Pullman, o Auggie, uma criança que nasceu com uma séria síndrome genética que o deixou com deformidades faciais, fazendo com que ele passasse por diversas cirurgias e complicações médicas ao longo dos seus poucos anos de vida.

A adaptação conta com nomes grandes: Jacob Tremblay, Julia Roberts, Owen Wilson, entre outros!

Para embelezar mais essa história, Bea Miller lançou a música “brand new eyes” que é parte da trilha sonora do filme e foi a música presente no segundo trailer do filme que você pode conferir abaixo:

Ouça a música na íntegra abaixo:

20.07.17
Fotos & Vídeos: Bea Miller se apresenta no YouTube Space LA

Bea se apresentou ontem, 19 (Horário Local) no YouTube Space LA em Los Angeles, CA onde se apresentou e cantou as músicas do Chapter One: Blue do Chapter Two: Red. Confira abaixo algumas fotos e vídeos que separamos para vocês.

Vídeos/Setlist
Song Like You
I Can’t Breathe | Opção 2 | Opção 3
Like That
Warmer
Buy Me Diamonds

Bea tropeçou enquanto cantava Buy Me Diamonds mas continuou e depois riu do acontecimento, confiram o momento exato da queda.

OBS: Nem todos os vídeos estão completos, iremos atualizando o post conforme saírem mais vídeos.

02.07.17
SAIU!: Clipe de “Like That”

Nessa Quinta-Feira, 30 de Junho, Bea Miller lançou o primeiro clipe do Chapter Two: Red, da música “Like That”. É possível assistir ao vídeo logo abaixo:

Eaí beasts, o que acharam?

02.07.17
Tradução: Bea Miller para Examiner.

Nascida em Maplewood, residente de Los Angeles, atriz, cantora e escritora, Bea Miller adotou uma estratégia diferente de lançamento de música. A participante do X-Factor lançou seu álbum Not An Apology em 2015, mas esse ano ela está lançando uma série de EPs codificados em cores: “Chapter One: Blue”, “Chapter Two: Red” e o para ser lançado “Chapter Three: Yellow.”

“Eu tenho sinestesia,” ela explica. “É essencialmente quando você pode ver as músicas em cores. Então ‘azul’ são as musicas que escrevi quando estava me sentindo triste e perdida, ‘Vermelho’ foi escrito quando eu estava em um estágio de empoderamento, e estou escrevendo o ‘Yellow’ agora, sobre a luz e o fim do tunel.”

ENTREVISTADOR: Você foi criada por duas mães que estão no mundo do showbiz. Quão legal é isso?

BEA MILLER:”Tem sido incrível ter duas mães. Eu cresci em uma cidade onde todos em maior parte aceitam bem, e tem muitas famílias LGBTS lá. Então eu sou sortuda por ter crescido onde cresci, pois tem muitos lugares onde as pessoas ainda tem problemas com coisas assim. E eu era sortuda por ter experiênciado algo que era diferente, meio que fora dos padrões. Alem disso, ter duas mães incríveis que não aceitavam desaforo de ninguém me ajudou a me tornar a pessoa que sou.”

ENTREVISTADOR: Você não teve medo de recentemente falar sobre o duo The Chainsmokers no twitter, dizendo que eles só fazem música para conhecer modelos. O que foi hilário.

BEA MILLER: Sim. E muitas pessoas levaram muito a sério. Muitas vezes eu digo coisas assim, e as pessoas meio que ficam bravas comigo. Mas eu acho que muitas pessoas na verdade concordam comigo, porque é meio hilário ver que esses caras que são bem repugnáveis são tão sucedidos em um mundo bem feminista – É interessante, pra mim, que eles possam se safar disso.”

ENTREVISTADOR: Que tipo de sexismo você percebe na indústria da música?

BEA MILLER:”Bem, se você é um homem na música, você pode ser qualquer coisa. Você pode ser fofo, você pode ser estranho, você pode ser qualquer tipo de ser humano, e contando que as pessoas gostem da sua voz, elas vão te escutar. Mas se você é uma mulher, a não ser que você seja muito bonita, como uma modelo, você vai ter dificuldades em chegar ao sucesso. Eu não tenho beleza de modelo, como a Rihanna ou a Selena Gomez, mas eu também não sou super estranha, também. E até agora, eu me virei com isso. E eu sinto como se muitas mulheres tem esse problema, onde elas tem que se super-sexualizar ou fazer coisas estranhas e diferentes. Eu não me sinto bem com isso, e eu tweetei sobre isso. Quer dizer, você não vê homens correndo e rebolando nos seus clipes!”

02.07.17
Tradução: Bea Miller para PEOPLE.

Bea Miller liberou o primeiro clipe do seu Chapter Two: Red na quinta feira com a música ‘Like That’.

“Eu escrevi ‘Like That’ em um dia que eu acordei e pensei ‘Estou cansada de me sentir mal comigo mesma e cansada de deixar as outras pessoas me fazerem sentir como se eu devesse estar.'” Miller, 18, disse à PEOPLE sobre sua inspiração por trás da música. “Eu me lembro de sentir tanta raiva por ter estado triste tanto tempo, e literalmente me forcei a superar isso e ser uma pessoa mais forte e feliz. É difícil, mas é possível.”

Como parte do seu projeto de um ano de lançamento de um álbum, Miller diz que escolheu ‘Like That’ como a primeira música para divulgar o clipe porque é a primeira música na ordem do Chapter Two: Red.

“Estou divulgando minha musica durante o ano em 4 diferentes etapas e eu queria que fosse bem coeso.” a participante do X-Factor diz sobre colocar uma nova coleção a cada 3 ou 4 meses até o lançamento do seu segundo album studio, com nome à ser confirmado, em novembro. “Eu também estou fazendo um clipe para cada música que eu lançar.”

A razão por trás de ela estar adotando essa forma única de lançamento do seu álbum é atribuída ao fato de, ela diz, “As pessoas não estão ouvindo à musicas do jeito que elas costumavam ouvir. Quando você da pra alguém 12 músicas de uma vez é difícil fazer com que escutem à todas elas e realmente se envolverem com cada uma, então com essa fragmentação eu estou meio que ‘enganando’ as pessoas”, ela adicionou.

Miller lançou seu primeiro álbum studio, Not An Apology, em 2015 e desde então vem lançando uma série de EPs codificados em cores: Chapter One: Blue, Chapter Two: Red e o para ser lançado Chapter Three: Yellow.

“Eu vejo música em cores e o Chapter One: Blue é uma coleção de músicas em que vejo o azul quando estou ouvindo à elas – essas músicas tendem a ter um tema mais triste”, ela explica sobre a inspiração por trás dos nomes dos EPs. “O Chapter Two: Red traz um sentimento mais de empoderamento. Também inclui duas das minhas músicas favoritas que eu já escrevi, então eu amo ele!”

Como se músicas novas não fossem suficientemente animadoras, Miller também está para tomar o palco do Billboard Hot 100 Music Festival nos dias 19/20 de agosto em Long Island junto com alguns cantores que ela sempre se inspirou desde o início de sua carreira.

“Estou tão animada! Estarei performando no mesmo palco de algumas das pessoas em que sempre me espelhei quando eu era mais nova, isso é incrível!” ela disse sobre cantar ao lado de Demi Lovato, Big Sean, Camila Cabello e DJ Khaled.

07.06.17
Teen Choice Awards: Indique Bea Miller ao Teen Choice Awards 2017

As nomeações para o Teen Choice Awards 2017 começaram e como Bea já ganhou Choice Next Big Thing em 2015 e foi indicada na categoria Choice Music: Breakout Artist no ano passado, estamos pensando na categoria Choice Summer Female Artist para este ano.

Para nos ajudar a indicar basta tweetar clicando no link abaixo:

Choice Summer Female Artist – #ChoiceSummerFemaleArtist

30.04.17
FOTOS & VÍDEOS: Bea Miller no Red Carpet e no palco do RDMA 2017

Neste sábado (29/04), Bea Miller compareceu ao Radio Disney Music Awards 2017, onde apresentou uma categoria e estava, claro, linda! A premiação vai ao ar dia 30/04 nos Estados Unidos e dia 21/05 aqui no Brasil, com transmissão do Disney Channel.

No Red Carpet: A cantora vestia um vestido caqui longo com cardaço Elisabetta Franchi ($366.00), uma chocker dourada com cristais Adornmonde Santiago ($86.00), anéis da coleção Crescent Spike da Luv Aj (Esgotado), e sapatos Steve Madden Satya ($89.95). Preços em dólares.

Créditos: Steal Her Style

No palco: Bea apresentou a categoria “Mashup!” (Melhor Colaboração) e quem ganhou foi a música “Bad Things” colaboração de Machine Gun Kelly com a amiga e ex-colega de The X Factor da Bea, Camila Cabello. Foi emocionante o reencontro, com um abraço apertado, das amigas quando Camila subiu ao palco para receber o prêmio.

Confira abaixo fotos e vídeos da presença da Bea na Premiação.

Fotos
Bastidores

Red Carpet

Palco

Vídeos
Para iHeartRadio


Para 102.7 KIIS FM (a partir de 0:47)

FIQUEM DE OLHO! Atualizaremos o post conforme saírem mais fotos e vídeos.

28.04.17
Tradução: Bea Miller publica desabafo em sua conta do twitter

Ontem, dia 27 de abril, Bea Miller publicou um desabafo na sua conta do Twitter. Abaixo você confere o texto original e o traduzido.

“Recentemente eu tenho sofrido em aceitar o quão difícil é obter sucesso não apenas em qualquer coisa, mas especialmente na música, e eu queria falar sobre isso. Eu desejo tão desesperadamente todo santo dia que nós ainda vivêssemos em um tempo quando as pessoas realmente se importavam e acreditavam na música. Isso não é pra dizer que não tem muitos de vocês que me apoiam todos os dias, porque tem sim e eu vejo vocês e sou tão incrivelmente grata. Mas há ainda mais pessoas que, com nossa atenção coletiva se estendendo a cada dia, só se importam com uma música enquanto ela é popular no rádio e depois a esquece quando não é mais. Junto com isso, tem tantos cantores que ao invés de tentarem mudar isso, escrevem e lançam músicas que atendem ao estilo breve e atual e torcem para serem relevantes por algumas semanas pra que eles possam fazer isso de novo. Eu odeio isso. Eu odeio isso mais do que eu poderia sequer explicar pra você porque música é muito mais do que isso. Música é paixão e ódio e perdão. É perda que leva à solidão e tristeza, ganhos que levam à felicidade e sucesso, vida que leva tanto à corações partidos como à vitória. Nós somos nossa própria ilha, sozinhos no que nós sentimos até que um dia não estamos mais, e eu sinto que a música é uma parte muito importante da comunicação e entendimento que nós deveríamos valorizar mais. Seja apaixonado! Nós vivemos em uma sociedade onde tudo é fugaz e é desencorajador realmente se importar, o que é incrivelmente alienador. Eu sei sobre tantos artistas que colocam um esforço ridiculamente enorme em absolutamente tudo que fazem e são constantemente encobertos por outros que só fazem o que irá torná-los relevantes ao invés de fazer o que amam. Não perca a sua consideração e vontade pra procurar a consideração dos outros. Eu estou tão enjoada e cansada das redes sociais serem tudo pra todo mundo. Tão enjoada e cansada de saber que se eu não mando um tweet todos os dias me promovendo, ninguém se importa comigo ou com o que estou fazendo. Eu quero ser mais que isso! Eu quero que todos nós sejamos mais que isso! Encontre coisas que você ame e não desista delas. Encontre coisas que você ame e não permita que ninguém mude o que você sente por elas. Viva fora do seu celular e de toda baboseira que vem junto. Viva!!!!!!! E fique feliz! E triste! E bravo! E tudo mais!!!!! Encontre artistas que vão fazer o mesmo com você todos os dias e nunca desistam uns dos outros.”
Logo após a postagem, recebeu muitos comentários positivos referentes ao texto, mas também críticas, que deixaram a cantora bem magoada. Podemos ver isso abaixo no tweet que ela publicou logo após receber tais críticas (tradução logo abaixo):

” ‘Tenho algo pessoal e honesto que venho pensando a algum tempo e decidi compartilhar meus pensamentos com vocês.’

‘fake’

ironico. ”

 

27.04.17
Remake Dirty Dancing: Bea Miller faz remake da música Be My Baby para ABC

O canal ABC vai realizar um programa remake do filme Dirty Dancing (1987) de 3 horas no dia 24 de Maio de 2017, e será lançado um álbum de trilha sonora. A música “Be My Baby” passou pela voz de Bea Miller, e será utliizada no evento junto com outros remakes de músicas do filme original.

Já se pode conferir a música no iTunes e Spotify, assim como videoclipe oficial VEVO no YouTube.

Link para o itunes: https://itun.es/br/5IXhjb

 

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D // Bea Miller brasil