16.12.16
Entrevista: Bea Miller compartilha como podemos espalhar positividade

Nós temos um sentimento de que você irá AMAR a nova campanha que a cantora Bea Miller está trabalhando agora. A estrela fez uma parceria com uma de nossas marcas de doces favoritas, 3 Musketeers, como parte da nova missão deles de #ThrowShine – o que é completamente oposto de espalhar ódio – tanto online como IRL. Twist conversou com a estrela para descobrir tudo sobre como as mensagens inspiradoras e divertidas escritas em cada barra de chocolate estão espalhando positividade nessa época festiva e além – e como você também!

Twist: Essa é a campanha mais fofa.

Bea Miller: Realmente. Como alguém que entra no Twitter quase todo dia e como jovem? Você está cercado de negatividade todo o tempo. Os jovens ou se apoiam ou são o completamente oposto e não há um meio termo. Quando você está cercado por tanto ódio, é legal ver que existem pessoas, e empresas como a 3 Musketeers, que estão saindo de caminho para espalhar positividade. E jogar brilho? Eu acho que é muito legal.
As mensagens são perfeitas também e eu acho que as palavras são poderosas. Tem um mensagem no papel que diz “você é mais doce do que uma cesta de filhotinhos.” Essa é a minha favorita, com certeza. Significa muito quando alguém sai de caminho para te dizer que você importa.

T: Você tem visto seus fãs se envolvendo com criatividade?

BM:Sim! Uma fã tweetou uma foto onde ela estava fora, eu acho que ela mora na europa, e ela estava nas ruas segurando um cartaz que dizia “Abraços grátis” e ela me enviou um monte de fotos dela dando abraços. Coisas assim são bem legais. Coisas pequenas e coisas feitas na sua comunidade, mas também ser legal na internet é bastante importante. Soa bobo, mas é uma grande parte de ser dessa idade agora, você entende?

T: Você acha que as pessoas estão indo contra o bullying online e se tornando melhores?

BM: Sim, eu realmente acho isso. E quando você faz parceria com pessoas que também estão tentando espalhar positividade, e vocês trabalham juntos para um objetivo em comum, você descobre que terá muito mais sucesso do que se estivesse sozinho. Eu acho incrível quando as marcas percebem o que está acontecendo e que estão cientes de que, adultos dominam o mundo obviamente, mas tem muitos adultos que estão alheios a tudo isso e eles realmente não sabem. É legal ver pessoas como as que trabalham na 3 Musketeers que entendem e querem fazer as outras pessoas felizes.

T: Especialmente depois das eleições, muitos de nossos leitores ficaram frustrados que eles não podiam votar mas ainda assim queriam que suas vozes fossem ouvidas. Você tem algum conselho para crianças e adolescentes de sua idade fazerem para que os adultos entendam o que importa para eles e assim eles possam fazer a diferença de sua própria maneira?

BM: Sim, eu acho que enquanto você colocar coisas positivas no mundo, coisas positivas voltarão para você. Eu também acredito que você não pode desistir daquilo que você acredita. Se você está rodeado de coisas que não são necessariamente muito felizes ou gentis, você pode jogar isso fora e mudar o que está ao seu redor. Você pode permanecer para aquilo em que você acredita.

Pessoalmente, minha família é constituída só de mulheres, então nós nos sentimos estressadas sobre o que está acontecendo agora e menosprezadas, mas nós estamos nos empoderando. Você sabe, nós vamos para os protestos. Nós nos permitimos ser ouvidas. Eu sinto que isso é a coisa mais importante: ter certeza de sua mensagem foi ouvida e não ter medo de dizer o que você sente.

T: Especialmente durante as férias, as pessoas tentam espalhar gentileza em todo lugar ou tentam entrar no espírito festivo mesmo que não esteja muito feliz para isso. Você tem alguma tradição ou maneiras que você ama para espalhar alegria com os outros?

BM: Eu sempre vou ver minha família inteira no Natal, nós passamos os feriados todos juntos. Eu acho isso muito importante. Nós passamos todos os feriados assim, até tipo, o 4 de Julho. Mesmo que seja em um grupo pequeno ou sua comunidade de amigos ou qualquer coisa, é bom ir a um lugar positivo onde você está cercado por pessoas que amam você. Deixe-as saber você também as ama.

T: Sua família cozinha? Ou alguma coisa divertida assim?
BM: Sim! Presentes não são grande coisa na minha família, tipo, nós compramos presentes sim, mas não é um evento grande. Mas somos uma família de chefs! Nós fazemos as melhores refeições. Nós fazemos comida boa.

T: Tem alguma refeição perfeita que você fica tipo, não é Natal se não tiver, “_____”?

BM: Isso soará estranho, mas fazemos alcachofras recheadas. É uma receita de família onde ela é empanada e você enche as folhas com queijo parmesão, salsa, alho e pão ralado. Nós fazemos isso todo ano e é minha coisa favorita no mundo todo.

Fonte: Twist Magazine
Tradução e adaptação: Bea Miller Brasil

15.12.16
Fotos&Vídeos: Bea Miller faz aparição no Billboard Women In Music

O 10º Billboard Women In Music, que aconteceu no último dia 9, em Nova York, reunião vários nomes femininos do mundo da música para homenagear o poder feminino nessa indústria. E claro que nossa Bea teria que estar presente. Confira abaixo vídeos e fotos da cantora no evento:

Vídeos

Chegando no Red Carpet

Entrevista para a Billboard

25.09.16
Fotos&Vídeos: Bea Miller comparece ao iHeartRadio Festival

Ontem, dia 24 de setembro, vários artistas estavam em Las Vegas para o iHeartRadio Festival. Bea compareceu ao evento, onde posou no RedCarpet e participou de entrevistas e eventos. Confira abaixo fotos e vídeos do evento.

Vídeos

Entrevista

Com filhotes de cachorro

24.09.16
Entrevista: Bea Miller fala sobre Cyberbullying

O CBS New York encontrou com a Bea durante a Revival Tour para falar sobre cyberbullying e seu single “Yes Girl”. Confira abaixo o vídeo e a tradução da matéria:

Ela tinha 13 anos quando tentou entrar para a segunda temporada do The X Factor e acabou se tornando uma dos 10 finalistas.

Quatro anos depois, a cantora de 17 anos, Bea Miller, tem milhões de fãs e suas músicas já alcançaram mais de 28 milhões de visualizações no YouTube. Mas apesar de toda a fama, Miller diz que ela tem os mesmos problemas que qualquer outra adolescente. Falamos com ela sobre isso nos bastidores do Barclays Center enquanto ela se preparava para abrir para a Revival Tour da Selena Gomez.

“Quer dizer, tenho 17 anos e passo por esses problemas às vezes quando tenho inseguranças”, a cantora disse.

Como com muitas meninas novas nas redes sociais, isso inclui lidar com o cyberbullying. Miller disse que quando estava no “The X Factor” e o público descobriu que ela tinha duas mães, os comentários que as pessoas escreviam online a fizeram chorar.

“Muitas pessoas que são extremamente contra isso (relacionamento homossexuais) iam no meu Intagram e comentavam ‘você é um pecado, o fato de você estar viva na Terra é um pecado, suas mães são pecadoras”, ela diz.

Miller se recusou a ficar em silêncio depois de receber comentários negativos no Instagram depois de postar uma foto dela com a sua mãe. Saiam daqui, sério! Não insultem a minha mãe”, Miller disse.

Fonte: CBS New York
Tradução e Adaptação: Bea Miller Brasil

08.07.16
5 coisas que aprendi abrindo a turnê para Selena Gomez

Abrir para Selena Gomez tem suas vantagens. Bea Miller não foi somente capaz de ver a cantora de “Hands To Myself” em sua turnê, mas ela também foi capaz de sair com alguns dos caras mais legais do pop, DNCE, liderado por ninguém menos que Joe Jonas.

“DNCE são as pessoas mais legais do mundo,” Bea diz para a ET na quarta-feira. “Nós fomos jantas algumas vezes. Eles são as pessoas mais incríveis, mais doces, mais engraçadas e mais estranhas de todos os tempos.”

A oportunidade é divertida, mas também é algo que Bea tem levado a sério. De fato, a fã de Selena auto-proclamada está plenamente consciente de quão sortuda ela é de ser endossada pela pop star. “É uma honra estar em turnê com ela,” a nativa de New Jersey diz.

A cantora de 17 anos teve seu começo no The X Factor, ficando em 9º lugar durante a segunda temporada da versão EUA do reality. Desde então, ela lançou seu álbum de estreia, ‘Not An Apology’, o qual inclui o hit “Young Blood”; acumulou uma base de fãs leiais e jovens que incluem quase 1 milhão de seguidores no Twitter; e ganhou o prêmio de “Choice Music: Next Big Thing” em 2015 do Teen Choice Awards.

A frente do fim da turnê, ET conversou com Bea para descobrir o que ela aprendeu com Selena e Joe, especialmente na presença de palco, em suas palavras.

1. Encontre seu próprio caminho

“É inspirador ver alguém que eu cresci gostando e ver alguém que começou muito nova – e teve que fazer muitas coisas das quais ela não queria – construir seu caminho para onde ela está agora. Eu acho que esse álbum foi muito importante para Selena. Foi um grande passo em sua vida e eu me sinto muito orgulhosa como fã e como alguém que a respeita e respeita sua música. Me faz sentir como quando eu estiver em meus 20, eu estarei onde ela está.

2. Nunca deixe que a fama mude você

“Joe é impressionante. Tem muitas pessoas que tornam-se sobrecarregadas quando elas começam muito novos e fazem isso por muito tempo ou tem problemas mais tarde na vida, mas ele é simplesmente um cara feliz. Ele realmente ama o que faz e ama música e eu espero que eu também possa manter isso por muito tempo. É incrível poder assisti-lo no palco. A banda toda é super incrível e eles trabalham muito bem juntos – eles são surpreendentes.”

3. Abrir turnê é estressante, mas novos fãs são legais

“É um pouco estressante porque, dependendo da cidade, tem pessoas que te conhecem e tem pessoas que não te conhecem. Eu estava muito nervosa sobre o Canadá porque por muito tempo eu não tinha liberado música lá e eu não achei que eles iriam me reconhecer ou me conhecer. Eu estava muito preocupada sobre a reação que eu pegaria. Mas assim como é estressante abrir [shows] numa turnê grande quando você não é um artista grande o suficiente para atrair a atenção de 15,000 pessoas toda noite por si próprio, é também incrível ver quantas pessoas estão realmente interessadas em ver você e o que você é. Então, eventualmente, você vai no Twitter depois do show e tem tweets tipo, ‘Wow, eu não sabia sobre Bea Miller até agora e eu achei que ela é muito legal.’ Algumas vezes é assustador, mas não tem nada do que ter medo.

4. Toda turnê é uma chance para crescer

“Como todo artista, você cresce com experiências em termo de como você se apresenta no palco. No começo, eu não sabia realmente o que fazer. Eu fiz o que parecia ser a coisa certa. Eu ainda faço isso – eu não tenho coreografia porque sinto que desliga como você naturalmente agiria com a música dependendo do dia e da música – mas eu tenho aprendido a ficar mais confortável em ser eu mesma. Tem coisas que eu sinto que deveria desligar porque eu não acho que eu poderia fazer isso na frente das pessoas. Eu pensei que eu não ficaria muito legal – inseguranças estúpidas que todo mundo provavelmente tem. Assistir Selena e DNCE tem me ajudado a lembrar que tudo bem ser livre no palco e reagir da maneira que você se sente com a música e conversar com seus fãs. Selena tem algumas pausas e conversa muito com seus fãs quando ela está no palco, algo que é muito estressante de se fazer. Então, é muito legal assisti-la fazer isso e assistir DNCE se apresentar porque eles são livres e eles fazem exatamente o que eles sentem.”

5. Extravagante, mas verdade: o show deve continuar

“O que é importante para mim que eu estou me afastando nessa turnê é que as coisas podem ser jogadas em você quando você não está esperando por isso e você tem que encontrar uma maneira de lidar com isso e saber que você tem o apoio das pessoas ao seu redor. Basta viver cada dia como ele vem e seguir com o fluxo. Tem muitas coisas que darão errado na noite do show, como um mal-funcionamento do guarda-roupa que pode parecer muito estressante no momento, mas toda noite o show continua. Essa é uma frase tão brega, mas é a verdade: o show tem que continuar e tudo ficará bem. É melhor aprender isso mais cedo que você puder, então estou feliz que eu já descobri isso.”

The Revival Tour acaba em Anaheim, California, em 9 de julho. Depois disso, Bea continuará a se concentrar em lançar seu segundo álbum. Enquanto o álbum não tem uma data de lançamento, ela já tem trabalhado com muitos produtores para encontrar uma assinatura alt-pop. É também sua primeira incursão na composição, incluindo o primeiro single, “Yes Girl”, que foi lançado em maio e é a música que Bea tem mais orgulho [até agora].

“No meu último álbum, eu não me expressei da forma que eu queria e esse novo álbum que eu lançarei em algum momento breve, eu escrevi todas as músicas,” Bea disse, notando que ela começou a trabalhar em álbum de estreia na idade dos 14. “Elas estão inteiramente em minha perspectiva, meus próprios pensamentos e meus próprios sentimentos. ‘Yes Girl’ foi a primeira música que eu fui capaz de lançar que eu realmente conto minha verdade. Eu acho que foi muito poderosa para muitos fãs. Eu sei que foi poderoso para mim ser capaz de compartilhar minhas próprias experiências.”

“É um sentimento bom saber que você pode compartilhar sua verdade com as pessoas e elas irão respeitar isso e se conectar com isso e elas aprenderão com isso”, adiciona. “É incrível.”

Fonte: CBS 8

06.06.16
Vídeo: BestFanTV faz entrevista com Bea Miller

Ontem (05), a BestFanTV lançou a primeira parte de uma entrevista com a Bea de quando ela esteve em Tornto. Nessa entrevista, a cantora fala sobre a turnê e a seu novo single, “Yes Girl”. Confiram o vídeo abaixo:

A segunda parte da entrevista sai em breve, onde a Bea falará sobre o The X Factor, Britney Spears e mais.

05.06.16
Girls' Life: Bea Miller fala sobre Revival Tour e música nova

Ano passado nós conversamos com nossa cantora favorita, Bea Miller, para nossa capa de Outubro/Novembro de 2015 e nos apaixonamos pelo seu estilo pop/punk e música lindamente honesta. Desde lá, ela continua a nos impressionar e seu novo single “Yes Girl” é o hino do poder feminino que estávamos procurando. Depois que anunciaram que ela se juntaria a Selena Gomez na Revival Tour pelos Estados Unidos e Canadá, nós sabíamos que teríamos que nos encontrar!

GL encontrou com a Bea antes de sua apresentação em Toronto pela turnê para conversar sobre beber chá com os fãs, o que está no seu ônibus de turnê e como ela lembra de manter sua independência.

GL: Como a Revival Tour está te tratando até agora?

Bea: A turnê está sendo incrível. Eu estava um pouco nervosa subindo no palco no início porque mudar de arenas de 1.000 lugares para arenas de 15.000 lugares é uma transição estranha de fazer. Estava preocupada que as pessoas não fossem me conhecer, que eles não cantassem minhas músicas e isso seria muito estranho. Mas muitos fãs estão vindo e eu entro no Twitter toda noite e vejo tweets que dizem “Wow , gostei muito da Bea Miller e vou procurar as músicas dela agora”, o que é um grande alívio para mim! Faz com que eu me sinta mais confortável e animada para ir para o palco.

GL: Você gosta de incluir seus fãs nos seus rituais pre-show. Nos conte sobre o Tea with Bea (Chá com a Bea).

Bea: Tea with Bea é incrível! Nós estávamos pensando no que poderíamos fazer para um pacote de Meet & Greet extra que fosse mais original e pessoal e menos como o que todo mundo faz. Alguém da minha equipe e alguém da HOST VIP tiveram essa ideia juntos, eles falaram “Tea With Bea! Rima, é fofo e você bebe chá antes de todos os shows”. Eles me ligaram e contaram e eu fiquei “Meu Deus! Essa é a melhor ideia!”

GL: Nós temos que saber: Qual sua música favorita do Revival, álbum da Selena?

Bea: Eu amo “Hands to Myself” porque é super legal toda vez que ela apresenta. Eu também escrevi com a menina que escreveu essa música, Julia Michaels. Então eu ambém gosto muito dessa música porque eu conheço a Julia muito bem e acho incrível ouvir o trabalho dela com outros artistas e pensar em como escrevemos juntas.

GL: Quais são as necessidades da turnê?

Bea: Nós demos uma passada no Walmart para comprar Mac and Cheese de microondas e muitos salgadinhos. No nosso ônibus, em todo canto, em toda gaveta, tudo é cheio de salgadinhos, até as beliches. Além disso, eu esqueci no início da turnê, mas eu sempre trago meu travesseiro comigo. Quando eu for para o show em Newark, vou para casa e vou pegar meu travesseiro. Obviamente chá é essencial e nós estamos colocando muitas flores no ônibus essa turnê. Elas mantem as coisas mais alegres e femininas e elas são fofas.

GL: Você acabou de lançar seu novo single “. O que inspirou essa música?

Bea: Eu tinha muitas pessoas na minha vida, no passado e até agora, que constantemente me falavam o que fazer, quem ser e para onde ir. Parecia que sempre havia alguém que queria que eu fizesse algo e muitas vezes eu argumentava e desistia porque me sentia mal por argumentar e por esperar fazer as coisas do jeito que eu tinha imaginado. Eu realmente precisava escrever essa música como uma lembrança para mim mesma quando canto que eu sou mais forte que isso e não preciso dizer “sim” para as pessoas. Eu posso ser eu mesma e posso ser forte sozinha e é ok me defender.

GL: Você tem apenas 17 anos, a mesma idade da maioria dos seus fãs, então você é muito capaz de se identificar com eles. Você acha que isso te diferencia como artista?

Bea: Sim! Acho que ajuda muito ter a mesma idade porque eu estou vivendo problemas de adolescente normais ao mesmo tempo que meus fãs estão vivendo. Sinto que quando eu era alguns anos mais nova do que eu sou agora, não tinha ninguém da minha idade que não estava cantando músicas que realmente não significavam nada. Eu nunca senti algo como, “Você captura minhas emoções negativas tanto quanto as positivas e você vai me ajudar a superar isso”. Acho que é legal poder ser isso para alguém. Esse é o objetivo.

GL: “Yes Girl” é o primeiro pedaço do seu segundo álbum. Como o processo de gravação está acontecendo?

Bea: Todas as músicas acabaram de ser escritas a não ser que eu queira escrever algo e adicionar lá. São apenas vocais demo agora que gravei no dia que escrevemos, então acho que essa é a primeira coisa que tenho que fazer antes de lançar o álbum. Vou tentar fazer o mais rápido possível depois que a turnê acabar e lançar o álbum logo. Estou muito animada porque eu co=escrevi todas as músicas desse disco e estou muito animada para deixar todo mundo entrar no meu verdadeiro mundo.

Fonte: Girls’ Life
Tradução e Adaptação: Equipe Bea Miller Brasil

Confira também as fotos que foram divulgadas junto com a entrevista na nossa galeria:

29.05.16
Um telefonema mudou os planos de Bea Miller

Bea Miller estava trabalhando, preparando seu novo álbum para seus fãs, quando veio o telefonema.

Selena Gomez queria [Bea] para abrir sua turnê.

“Eu não pude acreditar,” diz Bea numa entrevista pelo telefone quando perguntado qual foi sua reação. “Selena foi uma das artistas com quem cresci,” diz. “Foi inacreditável.”

A notícia, entretanto, veio apenas algumas semanas antes da turnê começar, o que não deu à Bea muito tempo para se preparar. As preparações incluíram o óbvio – ensaiar suas músicas para sua apresentação ao vivo – e o não-óbvio.

“Há muitas coisas que você precisa levar,” diz. Por exemplo, Bea disse que está levando seu cão na turnê. Então isso significa que ela teve que comprar guloseimas extras para ele. Há lanches que ela também ama e Bea disse que teve que comprar o suficiente porque não sabia se os destinos os teriam disponíveis.

Além disso, Bea disse que ela não sabe quais locais tem lavanderia para ela usar. Então ela teve que colocar roupas o suficiente [na mala] para mantê-la entre as paradas.

“Tem tanta coisa envolvida,” diz. “Você precisa se preparar para estar na estrada pelos próximos dois meses de sua vida.”

“Há uma aleatoriedade de coisas que você precisa,” fala.

A última vez que Bea esteve em Connecticut, abrindo para Demi Lovato, ela se apresentou com um guitarrista e uma faixa pré-gravada. Dessa vez, ela tem uma banda toda. Isso também coloca Bea em crise.

“Ensaiei pouco. Aprendi as músicas antigas e ouvi as novas (para aprendê-las).” diz. “Também tem os acessórios para as roupas (para o palco).”

A turnê interrompeu os esforços de Bea para gravar seu segundo álbum.

Bea, que encontrou o caminho para os olhos do público com apresentações no “X Factor”, lançou um EP e um álbum todo.

“Desde novembro, todos os dias, nós preparamos novas músicas,” diz. “Algumas só precisam seu mixadas.” Outras ainda estão em fase de demonstração.

Parte do processo de gravação tem sido para os produtores entenderem o som orgânico que ela tem procurado. Ela diz que gosta de músicas que leva em conta a produção moderna. Mas ela também ama o som de bateria ao vivo, baixo e guitarras. “Eu quero algo que não seja tão contemporâneo nem tão chiclete.”

Bea diz que o álbum em progresso deve ser emocionante para seus fãs. E ele deve representar um passo para frente [para ela] como artista, diz.

As músicas também representarão uma Bea Miller mais madura.

Muitas das músicas do “Not an Apology” foram escritas quando ela tinha 14 para 15 anos, explica. Ela agora tem 17 anos e as músicas refletiram isso.

A primeira faixa que está disponível [do álbum] é “Yes Girl”. A música encontra Bea trabalhando com Ilsey (Beyonce, Drake, Nick Jonas) e Pop & Oak (Nicki Minaj, Big Sean, Alessia Cara). Oak produziu a música e Bea diz que ele foi o primeira produtor que realmente entendeu o som que ela queria ir na nova gravação.

O set de Bea conta com novas e velhas músicas.

Fonte: The Southington Observer

Tradução e adaptação: Bea Miller Brasil

23.05.16
NYLON MAGAZINE: Bastidores com Bea Miller da turnê com Selena Gomez e DNCE

A Nylon Magazine trouxe fotos exclusivas do bastidores da Revival tour com uma pequena entrevista com a Bea com legenda dessas imagens. Confira abaixo a tradução e adaptação da matéria e das legendas:

Nos privilegiados 17 anos de idade, Bea Miller está meio que vivendo o sonho. Desde o final da competição The X Factor, a cantora-compositora deixou suas raízes em New Jersey para trás para viajar pelo país na Revival Tour com Selena Gomez e DNCE. No final de semana, ela lançou seu mais novo single, “Yes Girl”, fora de seu primeiro álbum pelo Hollywood Records, Not An Apology. Durante seu tempo na estrada, Miller esteve mantendo um diário que ela está compartilhando exclusivamente com a NYLON. (Desculpa, mas não tem fotos com o namorado, Jacob Whitesides.)

Foto 1

“Antes de subir no palco, gosto de focar em uma pessoa que eu sei que precisava da minha música em tempos difícies. Gosto de pensar em um(a) fã que me contou o quanto já o/a ajudei e imaginar que essa pessoa está lá fora me esperando.”

Foto 2

“Eu gosto de arrumar me cabelo.Eu acho que todas as garotas amam quando pessoas brincam com os cabelos delas. Também é muito legal poder ter meu cachorro, Ollie, por perto. Acho que traz alegria pro lugar inteiro.”

Foto 3

“Conectar-se com alguém que foi afetado pela sua música enquanto você está cantando aquela música para eles é tão especial. Isso é, sem dúvida, a melhor parte de ser uma artista.”

Foto 4

“Antes de cada show nessa turnê, tenho bebido chá com meus fãs. Eu queria dividir meu ritual pré-show e ser capaz de me conectar com eles de uma forma mais pessoal.”

Foto 5

“Minha música favorita de cantar ao vivo é uma das novas ‘Yes Girl’. Sendo sincera, escrevi essa música por raiva. Às vezes a raiva é o que você precisa para fazer uma mudança.”

Foto 6

“Eu fico tão feliz quando as pessoas na plateia levantam as mãos comigo e as balançam de um lado para o outro. Sempre parece que eles estão completamente imersos na música, vivendo isso comigo.”

Foto 7

“Eu amo passar o som. Não tem nada no mundo como sentir que você tem a arena inteira para você, ouvindo a música ecoar na grande qualidade de espaço.”

Foto 8</center>
“Eu sou tão sortuda de ter minha banda. Não poderia me apresentar sem eles, ou pelo menos sem meu guitarrista, Hayden. Música é sobre músicos individuais juntas para dar vida às canções e os membros da minha banda são muito talentosos ao fazer isso.”

Fonte: NYLON Magazine
Tradução e Adaptação: Equipe Bea Miller Brasil

20.05.16
5 coisas para saber sobre Bea Miller

Quatro anos após competir no X Factor, Bea Miller está encontrando sua voz e tomando controle de sua carreira.

Com 17 anos, a estrela ascendente – atualmente na estrada com Selena Gomez – lançou seu novo single, “Yes Girl”, na sexta. Um hino pop-rock temperamental na mesma veia angustiante que Tove Lo e Lorde, Miller mostra uma partida madura de uma estrela infantil se encontrando.

“Tive muitas pessoas em minha vida dizendo-me o que eu precisava fazer e que direção eu precisaria ir. Eu estava ficando estressada e eu me encontrei dizendo “sim” para muitas coisas que eu não queria,” a cantora fala sobre sua inspiração por trás da nova faixa. “Tem algo sobre ser um “yes man” e eu estava sendo uma “yes girl.”

Equipado com um sentimento auto [confiante] renovado, “Yes Girl” surgiu das sessões de composição com o co-compositor Ilsey Huber.

“Escrevi essa música para me lembrar que eu posso permanecer por mim mesma e ser apaixonada pelas coisas e ter uma opinião – e isso não será errado,” Miller adiciona. “Eu descobri que se eu colocar felicidade em mim mesma, que, se isso vier de mim, eu posso ser feliz. Se eu digo a mim mesma que eu posso realizar coisas, eu posso fazê-las. Estou animada para meus fãs verem o quanto eu cresci.”

1. Ela se formou no colegial – um ano mais cedo!
Depois que Miller apareceu no X Factor, ela e sua família se mudaram para a California para ela poder seguir com a música e ela começou a ter aulas online.

“Parecia mais como faculdade onde você pode escolher suas aulas e faze-lo em seu tempo,” diz a cantora, que adiciona que por causa de sua esporádica e envolvida composição e a agenda de shows, ela estudava de meia noite às três da manhã.

Ela ainda trabalhou com a cabeça do programa para que ela pudesse assumir uma carga mais pesada para terminar mais cedo.

Trabalhei muito duto para que pudesse me graduar um ano antes porque é muito difícil ir para escola de manhã por algumas horas antes de ir numa sessão de composição,” ela diz. “Foi difícil de gerir todas essas coisas, mas eu queria me formar no ensino médio, então decidi fazer isso funcionar.”

2.Britney Spears ajudou-a a se tornar confortável no centro das atenções.

Quando Miller, com 13 anos na época, estava no x Factor, sua treinadora não era ninguém menos que o ícone pop Britney Spears. Além de ser a tutora de Bea e prepará-la para as apresentações, Spears a ajudou a fazer as pazes com algumas de suas ansiedades sobre fama.

“Eu tinha medo de não ser bem sucedida, mas de as pessoas sabendo que eu era, porque tudo que eu via era nas revistas e as pessoas falam sobre todos os artistas e sobre estar no olhar do público – eu tinha medo disso,” diz Miller.

Mas trabalhando e assistindo Spears reprimiu seus medos.

“Foi muito legal porque quando ela estava somente com nós, as crianças, ela era muito engraçada e super normal,” diz Miller. “Aquilo foi uma surpresa para mim: você pode ser você mesmo e viver uma vida normal e feliz. E aquilo me ajudou a me sentir mais confortável, eu não irei me perder.”

“Ela é uma pessoa inspiradora porque tem passado por muitas coisas e ainda assim é uma pessoa muito boa.”

3. Alguns de seus ídolos se tornaram seus amigos.

Demi Lovato foi outra mentora da temporada em que Miller competiu – mas apenas alguns anos depois, elas se tornaram colegas [quando Miller entrou em turnê com Demi em 2014].

“Eu só a conhecia por distância no X Factor e ela era muito legal. Na verdade, eu ouvia suas músicas – ainda ouço – mas na época, eu era super fã de sua música e foi muito legal estar em turnê com ela,” diz Miller.

Durante e depois de seu tempo na estrada, no entanto, sua ligação cresceu.

“Em um ponto da turnê, ela saiu de caminho em uma das noites – acho que na segunda noite – e quando eu saí do palco, ela estava lá e tinha pego o tempo para assistir meu set todo. Esse é o tipo de pessoa que ela é,” diz Miller. “Ela é uma das pessoas mais incríveis em minha vida e ela é definitivamente o tipo de pessoa que está lá por você caso você precise.”

O mesmo pode acontecer com Gomez já que elas compartilham o palco nesse verão.

“Eu sempre me admirei com Selena. Mas eu amo quando artistas finalmente criam algo que é verdade para eles e eu acho que Revival capturou o que Selena esteve passando durante esses últimos anos,” Miller diz.

4. Ela e Fifth Harmony estão encontrando o caminho para os charts – mas ela não vê isso como uma competição.

“Eu nunca me senti competitiva em relação à elas. Nós eramos muito próximas no programa e elas eram as únicas pessoas jovens ao redor e são pessoas incríveis e eu sempre curti ser capaz de falar com elas,” ela diz.

Ao longo dos anos, Miller – que competiu na mesma temporada que as cantoras de “Work from Home” – manteve-se amiga do girl group.

“Eu ainda as vejo frequentemente e é sempre a mesma dinâmica: somos animadas umas com as outras e sou orgulhosa delas. Eles estão indo muito bem.”

5. Ela está trabalhando com alguns hitmakers sérios.

Se prepare para começar a ouvir Bea Miller em todo lugar.

Ilsey Juber, seu co-compositor em “Yes Girl,” tem alguns créditos de composição incríveis – de Jennifer Lopez e Mariah Carey até Beyoncé. (Ela co-escreveu “All Night,” um destaque de Lemonade.)

E Julia Michaels, o prodígio de 22 anos que está por trás dos maiores hits do ano passado – Hailee Steinfeld, Justin Bieber e Gwen Stefani – são colaborações recentes.

“Escrevi com Julia algumas vezes e eu sei o quanto ela ouve e o quão boa ela é sobre ajudar a capturar o que você está sentindo e colocando numa música,” diz Miller.

Fonte: People
Tradução e adaptação: Bea Miller Brasil

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D // Bea Miller brasil