04.06.14
Bea Miller fala sobre “Young Blood”, sobre seu primeiro álbum e sobre ter duas mães.

Bea Miller não é uma típica garota de 15 anos. Para começar, ela tem os tubos de cascalho de um veterano de música e cresceu ouvindo um grampo resistente do Led Zeppelin e AC / DC. A adolescente também tem uma temporada de X Factor em seu currículo, e um EP de músicas pop/rock “queimando” no iTunes. Oh, e a estrela em ascensão  foi criada por duas mães impressionantes.

A talentosa adolescente recentemente “caiu” em nosso escritório para conversar sobre seu novo single “Young Blood” e sobre co-escrever para seu EP  de estréia com alguns dos mais quentes compositores no negócio. Bea também falou sobre sua performance no North Jersey Pride (ela está animada para cantar em frente da família e amigos) e sua paixão por causas do LGBT. Leia mais sobre a recém-contratada mais legal da  Hollywood Records.

 

Seu novo single “Young Blood” tem uma abordagem rebelde. É uma representação do que você é?

Sim. A música tem escuridão e luz dentro dela, da qual eu acho ser legal e representa as crianças. Nós somos o futuro, e nós podemos fazer o que queremos, porque um dia esse mundo será nosso. Literalmente será, porque nós seremos os adultos que estarão no comando um dia. 

Essa atitude ajuda  a se destacar de outras estrelas pop adolescentes.

Eu gosto da minha música principalmente porque é diferente das músicas pop atuais.. Não é necessariamente apenas gravitar em direção a positividade porque as pessoas tem outro lado, e eu penso que isso deveria ser expressado em músicas.

Como você chegou nesse filosofia?

Por muito tempo, eu era uma espécia de vidro meio-vazio de pessoa. Eu passei por um momento muito difícil. Eu comecei a me comparar com meus amigos, o que eles estavam fazendo em relação ao que eu estava fazendo. Eu percebi que não era tão saudável pensar tão negativamente, quando há um lado positivo.

A vida não é do ruim para o bom, mas é uma balança dos dois tipos que sobem e descem. Existem coisas boas e ruins. Eu achei que seria bom trazer isso para a música, porque eu percebi que não era somente eu que me sentia assim, mas muitos adolescentes, especialmente, que se sentem mal.Como se o peso do mundo estivesse sobre seus ombros, e eu queria ser capaz de expressar que muitos adolescentes poderiam se relacionar com isso e não se sentir sozinho.

O que podemos esperar pelo vídeo de “Young Blood”?

É muito escuro, mas, como eu disse na música, é uma espécie de balança entre escuridão e luz. É estranho. Eu atualmente vi as edições. Não terá muitas edições, mas eu vi ontem, e há vários momentos de corte e movimentos rápidos, mas também tem movimentos lentos. Tem crianças rindo e então crianças chorando e gritando… É tipo uma balança dessas emoções.

Quando será liberado? 

Junho. No início de Junho foi o que me disseram.

Quais artistas você se inspira?

Eu me inspiro nas bandas, na verdade. Eu gosto muito de AC/DC, Nirvana, Led Zeppelin e bandas novas. Eu gosto de The Pretty Reckless. Você os conhece?

Eu amo Taylor Momsen!

Ela é minha rainha, minha inspiração. Eu sou obcecada por ela!

Fora Taylor, tem mais alguém que vocês gostaria de colaborar?

Ed Sheeran. Eu digo isso toda vez porque eu simplesmente acho que ele é maravilhoso e eu quero mostrar isso para o universo. Eu amei o seu último álbum. É tudo tão bonito.Eu amaria fazer um som como esses, porque eu não faço sons acústicos. Então eu acho que seria muito interessante fazer algo tão emotivo com apenas um violão [o violão de Ed]. Eu amo o som de sua voz. Eu o acho extremamente talentoso.

Você trabalhou com ótimos compositores (Jarrad Rogers and Mike Del Rio) no seu EP. Como você encontrou sua própria voz?

Eu estava intimidada no começo. Eu pensei que nada que eu dissesse seria capaz de comparar ao que o compositor está falando ‘porque eles são tão avançados que eu e eles tem tanta experiência’. Eles têm escrito tantas músicas, também.

Então eu comecei a perceber que esse foi um processo que eles passaram com tantos outros artistas, artistas nos quais as músicas eu gosto muito. Então eu disse para mim mesma para colaborar com algo e me sentir mais confortável porque eles têm feito isso milhões de vezes, e eles não vão pensar que eu sou estúpida se eu disser algo com que eles não necessariamente gostam. Eles só irão dizer “talvez sim, talvez não” e seguir assim.

Vocês está trabalhando no álbum?

Meu álbum está completamente terminado, e nós estamos apenas esperando para lança-lo, o que eu penso que será no final do ano ou no começo do ano que vem.

Eu li que você aprendeu a gostar de rock por causa de suas mães…  

Minha mãe me levava para viajar quando eu era mais jovem. Minha mãe colocava fitas juntas, e ela misturava The Beatles, AC/DC e seja lá quem mais. Bob Marley, Led Zeppelin. Como eles todos. Eu recentemente recebi essas fitas pelo correio porque minha outra mãe, que ainda mora em Nova Jersey, enviou para mim quando ela estava desempacotando para seu novo apartamento.

Ela começou a colocá-las quando eu tinha talvez  11 e eu comecei a cantar junto. Era tipo: “Eu não quero essa música. Eu gosto de  Justin Bieber e Jonas Brothers. O que é isso?” e ela me contou, “Eu costumava tocar essas músicas quando eu era jovem”, e então eu comecei a entrar nesse estilo de música.

Como é crescer com duas mães? 

Me perguntam muito isso, mas eu venho de uma família e comunidade que abraça essa diversidade, então eu nunca pensei na minha família como sendo diferente das outras. Para mim, ter duas mães não é diferente do que ter uma mãe e um pai, ou somente um pai/mãe, ou dois pais. Não importa como uma família é contanto que tenha amor, apoio e coragem para qualquer coisa que você queira ser e fazer coisas boas na vida. Isso é o que minhas mães têm sempre feito para mim e minhas irmãs. 

Me fale sobre sua apresentação no  North Jersey Pride  que está vindo.

North Jersey Pride é na minha cidade natal, e então, quando eu ouvi que eles me queriam para fazê-lo, eu imediatamente disse sim. Eu queria que eles vissem que tinha um real motivo para eu deixar tudo para trás, me mudar e começar uma vida nova. Você sabe, eu quero impressiona-los. Então, eu estou muito animada, porque eu vou ir com uma banda e tudo. Estou ansiosa para isso porque eu também vou ver meus amigos, minha mãe e minhas irmãs.

Você obviamente apoia causas LGBT…

Oh, sim. Eu tenho duas mães, então é claro que eu os apoio e quero apoiar qualquer coisas como isso. Eu vou a todas as paradas de orgulho gay. Eu ia todo ano nelas em New York City, e gostaria de andar com eles, eu, minhas mães e minhas irmãs. Então, qualquer coisas que tiver que ser feita para apoiar os gays, eu estou totalmente envolvida.

Fonte: Idolator

Layout criado e desenvolvido por Lannie.D // Bea Miller brasil